REGISTRE OS MELHORES MOMENTOS DE SUA VIDA Suas férias em nossas mãos!

Observações – Documentos necessários para embarque

  • BRASILEIROS: são aceitos somente Passaporte ou RG original (com foto recente);
  • ESTRANGEIROS: é necessário RNE original e Passaporte. Importante verificar se o país de destino exige visto de seu país natal.
  • MENORES de 18 anos – autorização por semelhança* de pai e mãe, com firma reconhecida em três vias (para menores viajando sem a presença do pai e da mãe, acompanhados por terceiros maiores e capazes). A mesma regra aplica quando acompanhados por apenas um dos pais, autorização por semelhança* do genitor que não viajará.
  • Firma reconhecida por semelhança: significa que a assinatura de ambos os pais no documento de autorização pode se dar por meio do reconhecimento de firma já registrada em cartório.
  • A documentação defeituosa ou incompleta – passaporte, RG, falta de vistos ou impossibilidade de entrada em algum país expressada ao passageiro por órgão oficial local – será de única e exclusiva responsabilidade do passageiro, eximindo a operadora de qualquer responsabilidade, inclusive do reembolso de qualquer tipo de despesas extras.
  • Recomendável carteira internacional de vacinação de febre amarela (tirada com 10 dias antes do embarque).

-RESERVAS PARA VISITAR MACHU PICCHU

O Instituto Nacional de Cultura do Peru (INC) estabeleceu uma quantidade diária de visitantes para entrada em Macchu Picchu (2.500 pessoas), e é a compra do ingresso que garante a vaga do passageiro. Por isso, solicitamos os dados abaixo no ato da reserva: *nome completo, passaporte ou RG (documento com o qual o passageiro vai viajar), nacionalidade e data de nascimento de cada passageiro.

Documentação Para Machu Picchu

Informamos que o ministério da cultura do Peru passou a exigir, a cópia do documento de todos os passageiros menores de 18 anos para a compra de entradas a Machu Picchu, Wayna Picchu, trilhas Incas curtas e/ou longas e trilha Salcantay. *pagamento de sinal de US$ 150.00 por pessoa (não reembolsável em caso de cancelamento). – DISPOSIÇÕES PARA BAGAGEM DE MÃO NO TREM PARA MACHU PICCHU: é permitida por pessoa 01 peça de bagagem com peso máximo de 5 quilos e uma medida máxima de 157 cm (altura + comprimento + largura). As peças que não estejam de acordo com esta dimensão serão embarcadas em outro trem. Para seu conforto, os hotéis em Cuzco possuem serviço de maleiro gratuito.

-SOBRE VISITAS AO HUAYNA PICCHU

O acesso à montanha Wayna Picchu tem custo adicional (US$15 por pessoa) e deve ser reservado junto com a excursão para Machu Picchu. A visita está restrita a 400 pessoas por dia, divididas em 2 turnos: 200 com entrada na trilha às 7 da manhã e 200 com entrada na trilha às 10 da manhã. O turno será enviado ao passageiro na confirmação da reserva. – Operação Bimodal Peru Rail (combinado de percurso em ônibus e trem): A partir de 02 Janeiros 2014, a Peru Rail, começa a operar o trecho entre Cuzco a Machu Picchu (Águas Calientes) em sistema bimodal (ônibus e trem). Por medida de segurança, devido à temporada de chuvas, o percurso entre a estação de Wanchaq (5 minutos do centro de Cuzco) até a estação de Pachar em Ollantaytambo será feito em ônibus, seguindo em trem até Machu Picchu Pueblo. – Serviços que não são reembolsáveis em caso de cancelamento: entrada a Machu Picchu, ticket de ônibus, ticket de trem (com menos de 30 dias antes do embarque) e Trilhas (Inca e Salkantay).

Considerações

Listamos abaixo as perguntas mais freqüentes que recebemos sobre Machu Picchu e Trilha Inca acompanhadas das respostas que consideramos mais adequadas a cada pergunta. Algumas das respostas podem estar desatualizadas e caso você perceba alguma correção que possa ser feita pedimos que nos avise por email. Tenha em mente que estas respostas não serão garantia de sucesso da sua viagem. Servem apenas como orientação para quem pretende viajar a Machu Picchu e Trilha Inca.

1. Dúvidas Gerais

1.1 É necessário passaporte para viajar ao Peru?

Não é obrigatório, mas é muito importante que você viaje com o seu passaporte. Existe um acordo entre vários países da América Latina para que a carteira de identidade local seja aceita de um país a outro. Mas esse acordo algumas vezes não é respeitado em algumas regiões fronteiriças onde os fiscais tentam se valer da falta de passaporte para tirar dinheiro dos viajantes. Além do mais essa carteira de identidade brasileira é um documento fajuto e de fácil falsificação. Levanta dúvidas de identificação até mesmo no Brasil. Portanto, aconselhamos você a viajar com o seu passaporte para evitar possíveis aborrecimentos. Outro motivo para você levar o seu passaporte é que futuramente pode querer folheá-lo para relembrar as viagens que já fez e ver que lá estão os carimbos de entrada e saída do Peru e outros países por onde passar.

1.2 Onde eu tiro o passaporte?

Procure um Departamento de Polícia Federal. Caso não tenha um DPF na sua cidade vá até a capital do seu estado. Fique atento que os policiais da PF sempre fazem greves e protestos que acabam atrasando a emissão de passaportes. Nos períodos de férias a grande procura também atrasa a emissão. Por isso tire o seu passaporte o quanto antes mesmo que não vá viajar agora. Não deixe pra última hora.

1.3 É preciso visto para entrar no Peru?

Não. Existe um acordo entre o Brasil e todos os outros países da América Latina, com exceção das duas Guianas, para dispensa de visto a todos aqueles que estão em viagem de turismo. Portanto, não é necessário ir a qualquer consulado ou pagar qualquer taxa para entrar em um destes países. Lembre-se que mesmo assim você terá que parar nos postos fronteiriços para carimbar seu passaporte com a data de entrada ou saída do país por onde estiver viajando. Estar dispensado do visto não dá direito à entrada automática em qualquer país. A decisão final sobre sua entrada somente é dada no ponto de entrada pela autoridade de imigração. É decisão soberana de todo país aceitar ou não a entrada de um estrangeiro no seu território. Adote sempre tom respeitoso e evite cair em contradições nos contatos que porventura mantenha com as autoridades estrangeiras.

1.4 Tenho que tomar alguma vacina para viajar ao Peru?

Para viajar ao Peru NÃO precisa de qualquer certificado de vacinação. Para retornar ao Brasil também NÃO. No entanto se você for viajar pela Bolívia É OBRIGATÓRIO levar o Certificado Internacional de Vacinação contra Febre Amarela. O certificado pode ser obtido gratuitamente. Basta tomar a vacina que também é gratuita. Mas lembre-se, apenas alguns postos de saúde emitem o Certificado Internacional de Vacinação contra Febre Amarela. Geralmente postos de saúde em aeroportos. O certificado é valido por 10 anos a partir do décimo dia após a aplicação da vacina. Não podem tomar a vacina: mulheres grávidas, mulheres amamentando, crianças de até 6 meses, quem tem alergia à albumina (proteína do ovo), diabéticos e portadores do vírus da AIDS, quem faz quimioterapia, recém-transplantados e portadores de doenças crônicas. As vacinas tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), DT (difteria e tétano) e hepatite B são indicadas como prevenção para qualquer destino. Essas vacinas NÃO são obrigatórias nem pro Peru e nem pra Bolívia. É apenas uma recomendação. Procure orientação médica antes de tomar qualquer medicamento. Não deixe para tomar a vacina na última hora. Quanto antes

1.5 Devo levar Real, Dólar ou Euro?

Você deve levar dólares ou euros. O Real só é aceito no Brasil. Mantenha alguns Reais com você apenas pra usar quando voltar pro Brasil, pra tomar um lanche e pagar transporte até sua casa. Entre dólares e euros prefira levar dólares. Isso porque o dólar é mais conhecido e todo mundo aceita dólar. Até mesmo nos lugares mais remotos do planeta. Essa é a grande vantagem de se viajar com dólares. A desvantagem é que você pode ser assaltado e levarem todo o dinheiro que você tem. Uma opção mais segura é levar um pouco em travelers cheques que são nominais e reembolsáveis em caso de roubo ou perda. A desvantagem dos travelers cheques é que eles não são aceitos em qualquer lugar e estabelecimentos cobram uma taxa para recebê-los. Quando estiver em outro país e for trocar dólares por moeda local, procure fazer cambio sempre nas casas especializadas, pois é onde você obterá as melhores cotações e não correrá riscos de pegar uma nota falsa ou rasgada. A exceção é quando estiver cruzando as fronteiras. Você terá que trocar alguns dólares com os doleiros na rua pois irá precisar de moeda local para despesas de táxi, lanche e gorjetas. Procure conhecer bem as faces do dinheiro corrente do país onde estiver para não receber de troco dinheiro fora de circulação. Assim como no Brasil, vários países sofreram os efeitos da famosa inflação e por várias vezes trocaram de moeda ao longo dos anos. É comum, na correria e agitação do momento, alguém lhe passar umas moedas ou notas sem nenhum valor monetário. Portanto, confira seu troco! Além disso, preste bem atenção nas notas que lhe passarem. Somente aceite notas em bom estado de conservação. Nunca aceite uma nota com um pedacinho rasgado ou que esteja riscada. E não esqueça de que quando estiver saindo de um país e entrando em outro, tem de se livrar (fazer cambio) da moeda que ainda lhe resta do país que esta saindo, senão você acaba voltando pro Brasil com dinheiro que não vale mais nada. É muito importante levar no mínimo um cartão de crédito internacional. Isso porque eles são aceitos na maioria dos estabelecimentos e será sua única opção no caso de ficar repentinamente sem dinheiro. Alguns cartões de bancos brasileiros podem ser usados para fazer saques em moeda local nos caixas eletrônicos das principais cidades.

1.6.- Ocorrem muitos assaltos as turistas no Peru?

Assim como todos os países da América Latina, o Peru possui uma situação econômica delicada. No entanto, são poucos os relatos de assaltos à mão armada contra turistas. A maioria dos casos é de furto. No caso de assalto à mão armada a regra geral, em qualquer lugar do mundo, é não reagir. Quanto aos furtos, alguns procedimentos básicos podem tornar sua viagem um pouco mais segura: Feche sua mochila com pequenos cadeados para evitar que tirem ou coloquem alguma coisa dentro dela. Lembre-se que muitas pessoas vão ao Peru em busca de outras coisas que não cultura e auto-conhecimento e podem querer utilizar sua bagagem como transporte. Nunca deixe sua bagagem desacompanhada. Quando a colocar no bagageiro interno do ônibus ou trem, mantenha-a ao alcance da vista e olhe para ela de tempos em tempos. Se a sua bagagem estiver no bagageiro externo do ônibus fique atento durante as paradas e observe pela janela quais mochilas estão sendo retiradas. Não guarde todo o seu dinheiro num único local. Divida um pouco entre seu corpo, sua bagagem e sua carteira. Peça para uma costureira fazer algo, em pano, plástico ou couro, que você amarre junto ao corpo, por dentro da roupa, e onde você possa carregar dinheiro. Outra opção é guardar um pouco na parte interna de uma peça de roupa.

Evite deixar artigos de valor em quartos de hotéis.

Quando estiver num restaurante entrelace as alças da sua bolsa ou câmera na cadeira para dificultar que alguém a leve enquanto você estiver distraído. Não viaje com correntes de ouro ou relógios caros e reluzentes. Nas ruas e multidões fique atento quando alguém esbarrar em você. O esbarrão pode não ser tão “sem querer”, pois este é um artifício muito usado pelos batedores de carteira no mundo todo. Fique alerta quando alguém lhe convidar para dividir quarto de hotel, levar bagagem, sair à noite ou viajar junto com você. Anote os endereços abaixo para o caso de você precisar de assistência jurídica no Peru ou na Bolívia. Utilize os telefones e e-mails somente se você realmente tiver um problema durante o tempo em que estiver viajando por esses países. Estes telefones e e-mails não servem pra você pedir dicas de viagem.

  • Embaixada do Brasil em Lima
  • Endereço: Av. José Pardo, 850 – Miraflores – Lima – Peru
  • Fone: (51)(1) 512-0830
  • Fax: (51)(1) 445-2421
  • Plantão Consular: (51)(1) 9850-39263
  • e-mail: consular@embajadabrasil.org.pe

 

  • Embaixada do Brasil em La Paz
  • Av. Arce, s/n° esq. Rosendo Gutierrez
  • Ed. Multicentro – Torre B – La Paz – Bolivia
  • Fone: (591)(2) 216-6400
  • Fax: (591)(2) 244-1273
  • e-mail: consular@brasil.org.bo

1.7 Quanto vou gastar?

Esta é de longe a pergunta que mais recebemos de quem pretende viajar a Machu Picchu. Certamente todos conhecem alguém que já foi, ou ouviram falar que viajar para Machu Picchu é barato. Sim, realmente sempre foi barato viajar para Machu Picchu em comparação com outras regiões do planeta. Mas hoje em dia nem tanto porque o valor do dólar está alto demais e todos os serviços são cotados nesta moeda. Além disso, esse “barato” pode ser muito relativo, pois depende de duas coisas importantes: primeiro de qual roteiro você pretende seguir e, segundo, de quanto conforto está afim de abrir mão durante a viagem. Se você pretende ir e voltar por terra, o percurso mais barato até Machu Picchu é o do Trem da Morte. A viagem toda fica em torno de U$1200.00. Só em passagens, ida e volta, até Cusco e sem Trilha Inca você gastará mais ou menos U$450.00. A Trilha Inca em torno de U$ 600.00. Não existe Trilha Inca com um serviço adequado mais barato que esse valor. Some a isso todas as despesas com alimentação, passeios, ingressos e hospedagem ao longo do trajeto e chega-se a mais ou menos U$1500.00. Se for em dupla pode sair mais barato. Um bom quarto duplo de hotel em Cusco custa U$20.00 a diária. Se você ficar quatro dias na cidade, que é o ideal, são U$40.00 pra cada um. Mas se um de seus objetivos for transformar essa viagem a Machu Picchu numa verdadeira peregrinação, então você conseguirá certamente fazê-la por algo em torno de U$1000.00 ou até menos. Você poderá ficar hospedado nos albergues das cidades por onde passar e é possível que gaste menos de U$30.00 por dia entre transporte, hospedagem e alimentação. De 25 a 30 dias e muita economia você consegue fazer uma viagem bem longa. Vá por um caminho e volte por outro. Se for pela Bolívia, volte pelo Chile. Se for pelo Chile, volte pela Bolívia ou pelo Acre ou ainda pelo rio Amazonas. Por outro lado, caso queira uma viagem mais rápida, segura e confortável você terá de investir um pouco mais. O investimento necessário vai ficar em torno de U$ 2000.00 com aéreo internacional e hotéis categoria turística. De um modo ou de outro, por terra ou pelo ar, nós recomendamos que você não economize tanto nessa viagem. Lembre-se que viagem é prazer e não sofrimento. Como diz o consenso popular: a vida passa ráaaaaaapido demais. Durante a viagem se preocupe apenas em aproveitar os dias que faltam para seu próximo compromisso no Brasil e não com a grana que é difícil de conseguir. Quando voltar você dará um jeito de pagar. Se deixar para viajar depois fica mais difícil. Surgem diversos problemas ao longo da vida que farão você pensar duas, três, dez vezes antes de partir. Portanto, a hora é agora. Se você consegue tirar de 7 a 30 dias de férias da sua vida cotidiana aqui no Brasil então você deve aproveitar isso de imediato e sem dó.

1.8 Posso trazer folhas ou chá de coca industrializado para o Brasil?

Não. Segundo o DPF a lei federal nº 11.343 proíbe a introdução de chá ou folha de coca em território brasileiro. Leia as orientações do setor de Aduana da Receita Federal sobre viagens ao exterior.   DUVIDAS FREQUENTES DE MACHUPICCHU

2. Dúvidas Sobre Machu Picchu

2.1 Onde fica Machu Picchu?

Machu Picchu está localizada no topo de uma montanha da cordilheira dos Andes no Peru a 2400 metros de altitude e a 112 km da cidade de Cusco.

2.2 Quem construiu Machu Picchu?

A Primeira Machu Picchu foi construída por homens de “cabeças longas” há mais de dez mil anos atrás. Era conhecida como Ophir. Esse formato de Machu Picchu que conhecemos hoje é a segunda ocupação da cidade feita pelos Hebreus na época do Império Inca. Era chamada de Tamputoco. Houve uma terceira grande ocupação da cidade feita por Manco Inca quando fugia dos invasores espanhóis. Ficou conhecida como Vilcabamba Viejo.

2.3 Qual a melhor época para viajar a Machu Picchu?

A melhor época para viajar a Machu Picchu vai de maio a setembro, no inverno. As temperaturas são bem mais baixas, mas não chove tanto como nos outros meses do ano. Os melhores meses são junho e julho. A semana recomendada é a do dia 24 de junho quando acontece em Cusco a festa de Inti Raymi. A temporada de chuvas começa em outubro. Os meses que mais chovem são dezembro, janeiro, fevereiro e março. Recomendamos que você não viaje a Machu Picchu de outubro a abril e recomendamos veementemente que você não vá a Machu Picchu nos meses de janeiro e fevereiro. Só viaje de outubro a abril se realmente não puder viajar de maio a setembro dos próximos anos.

2.4 Preciso percorrer a Trilha Inca para chegar a Machu Picchu?

Não. A maioria dos turistas vai a Machu Picchu da forma tradicional. Ou seja, embarcam no trem de Cusco até o povoado de Aguas Calientes (3h30). De Aguas Calientes embarcam num micro ônibus até Machu Picchu (20 min). A Trilha Inca é indicada somente para aqueles que estão em boa forma física, dispostos a longas caminhadas e acampar pelo menos três dias nas montanhas. De um modo ou de outro o ponto de partida para todos é Cusco.

2.5 Qual é o melhor roteiro para chegar a Machu Picchu?

Para chegar a Machu Picchu é obrigatório ir antes a Cusco. Para chegar a Cusco, saindo do Brasil, a maneira mais rápida, segura e confortável é ir voando de São Paulo até Lima (5h00 de vôo direto). De Lima pegar outro vôo até Cusco (1h15 de vôo). Em Cusco pegar um trem até o povoado de Aguas Calientes (3h30). E de lá finalmente um micro ônibus até Machu Picchu (30 min). Mas se você quer economizar e tem tempo disponível para viajar pode ir por terra via Bolívia, Argentina e Chile ou ainda pelo Acre através da rodovia Transoceânica, ou pode pegar uma Agencia de Viajes fica  mais  fácil. mitviajes@trilhainca.com

2.6 Posso acampar em Machu Picchu?

Não. O último acampamento que se faz para quem chega pela trilha inca fica há 1h30 de caminhada antes de chegar em Machu Picchu. Caso queira conhecer Machu Picchu por mais um dia antes de pegar o trem de volta para Cusco você terá que dormir num hotel do povoado de Aguas Calientes que fica no pé da montanha de Machu Picchu.

2.7 Machu Picchu fica fechada na época das chuvas? Não. Machu Picchu não fecha durante um grande período de tempo como uma semana ou um mês. Só é fechada nos dias em que chove muito, depois reabre novamente. Eventualmente pode ocorrer dela estar fechada no dia em que você pretende visitar a cidade. Mas assim que a chuva passa tudo volta a funcionar normalmente. No entanto a Trilha Inca é fechada durante os meses de fevereiro por causa das chuvas.

2.8 Em um dia dá tempo de conhecer Machu Picchu?

Dá pra visitar os principais templos e subir até Waynapicchu para ter aquela visão espetacular de cima de Machu Picchu. Mas Machu Picchu possui muitas construções. Só de escadas são mais de 100. E a subida a Waynapicchu é desgastante. Se você quiser conhecer calmamente todos os templos e ficar um longo tempo admirando a paisagem de cima de Waynapicchu então é recomendado que você ficasse uma noite num hotel do povoado de Aguas Calientes e visite Machu Picchu novamente no dia seguinte. Será necessário pagar uma nova taxa para entrar de novo em Machu Picchu, pergunte de sua Agencia  de Viajes preferida.

2.9 Existe limite de visitantes em Machu Picchu?

Sim, há limites de visitantes em Machu Picchu. O máximo permitido são 2500 visitantes por dia. Para a trilha inca são permitidos apenas 500 viajantes. E para subir a Waynapicchu e ter aquela visão espetacular de cima de Machu Picchu são permitidas apenas 400 pessoas por dia.

2.10 Precisam comprar o ticket de trem e a entrada para Machu Picchu com antecedência? Se for viajar na alta temporada, de maio a setembro, precisa comprar tudo com antecedência. Ticket de entrada em Machu Picchu, ticket de trem e ticket para subir a Waynapicchu. Se for fazer a viagem com uma agência de viagens você pode comprar tudo pela internet através dos prestadores de serviços que estão no guia Planeje a Sua Viagem.

2.11 Machu Picchu esta desabando?

A região onde Machu Picchu foi construída é o começo da selva Amazônica peruana. No verão chove demais por lá. E isso obviamente provoca deslizamentos de terra. A quantidade de chuvas aliada ao fato de que Machu Picchu foi construída à beira de precipícios e ainda ao grande fluxo de turistas que visitam o local diariamente tem colocado em risco as construções. Estima-se que o terreno esteja se movendo 1 cm por mês em direção ao abismo. É um processo geológico demorado, mas está ocorrendo. Os construtures de Machu Picchu já sabiam da instabilidade do terreno e por isso fizeram fundações tão bem feitas que as construções estão de pé até hoje. O risco de desabamento é mais um motivo para você visitar Machu Picchu o quanto antes.

2.12 É verdade que o governo peruano vai fechar Machu Picchu?

Não. Mas o que pode ocorrer é a diminuição do número de visitantes diários na cidade. Essa será possivelmente uma das alternativas para evitar a degradação do lugar causada pelo grande fluxo de turistas. Alternativa será o aumento do valor do ingresso que hoje está em cerca de U$ 55.00. Dúvidas Frequentes Trilha  Inca  

Dúvidas Sobre Trilha Inca<

3.1 O que é a Trilha Inca?

A Trilha ou Caminho Inca é um trecho de uma antiga estrada pavimentada com pedras que atravessa algumas montanhas da cordilheira dos Andes e chega até Machu Picchu no Peru. Foi construída pelos incas e é o modo como eles faziam para chegar a Machu Picchu. É a rota de trekking mais famosa do mundo, pela conjunção de intrigantes sitios arqueológicos com as espetaculares paisagens que oferece ao viajante durante os dias de caminhada. Percorrer a Trilha Inca é a melhor maneira de conhecer a magia e os mistérios de Machu Picchu. O percurso começa no km 82 da ferrovia Cusco/Quillabamba, atravessa as montanhas acima da margem esquerda do rio Urubamba e chega até Machu Picchu depois de 4 dias de caminhada. Possui calçamento de pedras original inca em boa parte do percurso No entanto as estradas incas não se restringiram a este trajeto. Elas ligavam Cusco em todas as direções da América do Sul formando uma rede de comunicação de mais de 30.000 km. Existem caminhos inca no Chile, Argentina, Equador e até mesmo no Brasil.

3.2 Quantos dias leva para percorrer a Trilha Inca?

A maioria dos viajantes faz o trajeto em 4 dias e 3 noites que é conhecido como Trilha Inca Clássica. A distância a partir do Km 82 da ferrovia é cerca de 43 km. Parece pouco, mas lembre-se de que a maior parte são subidas desgastantes acima de 3000m de altitude. Existe uma outra variação da trilha inca que faz um trajeto mais curto de 2 dias e 1 noite. Começa no km 104 da mesma ferrovia. São cerca de 15km de cainhada no primeiro dia e no segundo dia visita-se Machu Picchu.

3.3 Qual a diferença entre a Trilha Inca Clássica e a Trilha Inca Curta?

São várias. Além da distância percorrida e do nível de dificuldade a principal diferença é que na trilha curta não se avistam os sítios arqueológicos de Puyupatamarca, Sayacmarka e Runkurakay que são visiveis na trilha inca clássica. Outra diferença é que na trilha inca clássica chega-se a 4200 metros de altitude contra pouco mais de 2300 na curta. Além disso na trilha inca curta não há acampamentos, pois o pernoite é feito num hotel do povoado de Aguas Calientes. Portanto não precisa dormir em barracas.

3.4 É necessário entrar num grupo para percorrer a Trilha Inca?

Sim. Obrigatório. A caminhada independente não é mais permitida. Para percorrer a Trilha Inca o viajante tem duas opções: Participar de um grupo compartilhado com viajantes de toda parte do mundo e máximo de 16 integrantes. Os preços variam de acordo com a qualidade do serviço oferecido. Geralmente vem tudo incluso no pacote: ingressos, guia, carregadores, comida, cozinheiro, barraca, transporte até o km 82 e ticket de trem de retorno a Cusco. Fechar um grupo privativo só para você e seus amigos. Com mínimo de 2 viajantes e também com todos os serviços inclusos. A obrigatoriedade de entrar num grupo organizado faz com que a aventura perca uma parte do improviso e desafio que caracteriza o perfil aventureiro dos mochileiros. No entanto, mesmo assim a magia de se percorrer a Trilha Inca continua e você não deve deixar de ir de forma alguma. A vantagem de se entrar num grupo organizado é que você não precisará carregar e preparar sua própria comida e montar uma barraca. Os carregadores farão tudo isso para você. Além de que o guia lhe dará todas as informações úteis e necessárias sobre as construções Incas e os acampamentos ao longo do trajeto. Você n%